Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Whatever I want

Whatever I want

Um dia, quem sabe, o destino não nos volte a juntar?!

09.04.20 | nayta

Lembro-me de como tudo recomeçou...

Tinhamos 13 anos e eu arranjei um namorico ao qual me levou até ti. Quando nos apercebemos de que já nos conheciamos desde bebés ficámos felizes e criámos uma amizade indescritivél. Foi um verão que nunca mais irei esquecer na minha vida, porque vivi tantas coisas boas contigo! Piscina, passeios, risos, brincadeiras... Lembro-me de tudo como se fosse hoje.

Lembro-me do dia que fiquei tão infeliz por te ver com a minha prima... No fundo eu estava a gostar mais de ti, do que apenas uma amizade. Mas eu tinha namorico e isso impediu-nos de termos sido sinceros um com o outro, mas não nos impediu de fazer crescer a cumplicidade que tinhamos. Lembro-me de quando começou a escola e foste transferido para a escola de Arruda, todos os dias às 7h30 lá estava eu a correr para a janela para começar o dia a ver-te a passares no autocarro (eram os melhores segundos do meu dia). Também me lembro que ia à missa, só para te ver.. ou aos jogos de futebol, gritar por ti e pela tua equipa...a minha mãe dizia que eu gostava de ti não só como amiga, mas eu negava e dizia que eras meu irmão! Eras ...

Eras um amigo incondicional, que eu jurei que levava para a vida toda. Afinal de contas ninguém nos iria conseguir separar. Quantas vezes não discuti com o meu namorado porque me pedia para eu me afastar de ti? Perdi a conta mesmo... Por a nossa amizade eu escalava as montanhas mais altas e perigosas e remava nas marés mais agitadas. 

Também tivemos A história que marcou as nossas vidas...  Era noite de 29 para 30 de dezembro ,salvo erro, e estavamos todos na garagem da nossa amiga a passar uma noitada de jogos, filmes, risos, comida e bebida. Nada nos faltava nessa noite, para ser a noite perfeita. Era já de madrugada e estavamos todos a comer e à conversa quando o inesperado aconteceu... Senti uma dor tão grande no seguimento daquele barulho incompreendido que entrou nos meus ouvidos. Levo a mão à cara e quando as tiro, esguichos de sangue a saírem por todo o lado... Afinal o que se passou? Se recuármos uns minutos atrás, estavas tu e o meu namorado da altura, a admirarem uma pressão de ar que estava para lá encostada que servia para matar os ratos. E como eu era tão importante na tua vida, lembraste-te que me ias assustar, então ele carregou a pressão de ar sem reparar que estava um chumbo lá dentro, apontaste na minha direção e então fez-se o tal barulho...senti a tal dor horrivel na cara e posteriormente o sangue a sair à velocidade da luz. Na ida para o hospital, o meu único medo era ficar cega... 1 milimetro para cima e era cegueira certa.... Nunca te culpei por nada! Nunca fiquei chateada contigo! Afinal de contas só me querias assustar e tudo não passou de um grande susto. 

Culpo-te mais agora por estar há mais de 4/5 anos sem ter notícias tuas, sem falares comigo, sem estares comigo... Tenho tantas novidades boas que te gostaria de contar. Gostaria de te poder apresentar o homem que escolhi para fazer parte do resto da minha vida... Gostaria de te poder apresentar a casa que consegui comprar com ele ... Gostaria de te dizer que sinto muito a tua. A falta das nossas conversas, das nossas brincadeiras... Tu fizeste-me uma promessa vitalicia, de ficares ao meu lado para sempre, fizeste-me a promessa de que darias o melhor padrinho do meu filho... Tantas coisas que podíamos ainda fazer juntos e não sei como, fugiste da minha vida sem dares uma justificação minimamente justificável... Sim porque acho que nada é justificável para a nossa amizade ter ficado para trás como ficou ... Todos os dias que penso em ti, só me pergunto porque é que estamos como estamos. Se éramos tão unidos, o que mudou? No fundo eu sei o que mudou... Encontraste a mulher da tua vida e aos poucos e poucos afastou-nos um do outro. Mas se eu lutei tanto para que o meu namorado não nos pudesse afastar, o que fez ou disse ela para que tu à primeira, te esquecesses do que tínhamos?

Ao fim de tantos anos da tua ausência e ainda tenho tantas saudades de ti... Tantos anos sem te falar e tanta vontade de o fazer.

Sonhei contigo hoje! Sonhei que me estavas a perguntar se ainda gostava de ti e se podíamos voltar a ser amigos... E sabes?? O que eu mais queria neste momento era ter-te de novo como meu amigo. Não precisamos de ser o que éramos, mas pelo menos seres o amigo que eu tanto anseio ter ao meu lado de novo. 

Na verdade deverei eu querer algo deste género? Eu posso dizer que já não te conheço. Não sei os teus gostos, não sei como é a tua maneira de seres agora, não sei que objetivos tens de vida, não sei nada à cerca de ti... E se eu voltar a falar contigo e descobrir que já não és o melhor amigo/irmão de adolescente? E se isso estragar toda a ideia que ainda tenho de ti e o carinho que tenho por ti? Provavelmente estou melhor como estou e me deva manter no meu canto... Um dia, quem sabe, o destino não nos volte a juntar?!?!

 

Só sei que te adoro com todas as minhas forças e se eu pudesse dizer-te alguma coisa? Diria que tenho muitas saudades tuas e que sinto bastante a tua falta.

Um beijo enorme e um abraço ainda maior, de alguém que morre de saudades tuas.

 

PS: Deixaste duas marcas em mim que nunca me farão esquecer de ti... Uma no coração e outra na face... E cada vez que observo aquela marca, lembro-me de que foi um grande amigo de infância que ma fez . Tu nunca por nunca serás esquecido por mim... E eu? Terei sido esquecida por ti? 

Meu querido RN .